O PLANETA EXISTE SEM A HUMANIDADE, MAS A RECÍPROCA NÃO É VERDADEIRA. CABE ÀQUELES QUE TÊM CONSCIÊNCIA, ILUMINAR O CAMINHO – SEM SOLIDARIEDADE NÃO HÁ SOCIEDADE. UNIDOS SOMOS MAIS FORTES. CIDADE SUSTENTÁVEL JÁ!


quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Cuidado com a bandeira que você carrega

Esse alerta é bem oportuno aos que adoram vestir uma nação. É fundamental conhecer a história daquela forma confeccionada numa superfície como um tecido, papel ou outros materiais. Não há bandeira que seja dissociada de uma música, uma história e um lugar. As guerras assim como as festas de independência, as manifestações sócio-políticas e as competições esportivas, os prédios públicos e os estádios há muitos lugares onde as bandeiras tremulam e os mais diversos motivos. Existe uma sensação de honra, poder, apego, ambição, enfim uma infinidade de momentos em sentidos. Mas e a essência desse símbolo enquanto referência patriótica?
Filosofias, profissões, celebridades, produtos e muito mais interesses elevam a bandeira pelo território de uma nação e fora dela como se carregassem a terra toda, aquele chão que deveria ser a vida de muitos e, hoje, é a sobrevivência de poucos. Em que momento exatamente ela serviu mais para estancar sangue, cobrir crianças do frio ou até mesmo enterrá-las pelo óbito precoce de inanição?
Há terras fora do planeta que carregam bandeiras como se estender o pé no Todo fosse abrandar a destruição insana produzida aqui mesmo, numa das partes. 
Mundo incoerente que leva algo que não sabe, morre pelo que não entende, mata pelo que acha que é seu e não percebe que uma bandeira tremula sozinha, bem no alto do mundo; não desgasta nem perde as suas cores. Ela é bem vinda em qualquer lugar e ao envolver-se nela, descobre-se o “Universo Perfeito” de presente numa só vez, só porque a sua inscrição foi feita em letras que aumentam à medida que se aproximam dela e a textura da superfície onde ela se encontra é o coração. É a bandeira de todas as pátrias: o amor! Esta bandeira está esperando quem viva por ela, assim ela espera e espera e espera...

terça-feira, 29 de novembro de 2011

A ótica holística da sustentabilidade

O ciclo da vida é um movimento constante e eterno em virtude de nossa limitada percepção, crenças à parte, o conceito de permanência ilusória também é confirmado pela ciência com a observação simples na dinâmica do universo. É fundamental o foco no aqui - agora objetivando o senso de realidade, do contrário adotamos visões equivocadas dos fatos e desperdiçamos a majestosa oportunidade de existir. Onde está a verdade? É simplesmente perder agora para ganhar no futuro? A capacidade do inconsciente humano reforça a lei da física de que toda ação estabelece uma reação contrária com a mesma intensidade, logo o conceito de sobrevivência tem sido corrompido pela ilusão de eternidade sem responsabilidade.
O que assombra o meu pensamento é a explosão dos intelectuais frente ao óbvio, desde a Conferência da ONU no Rio de Janeiro (ECO-92 com 179 países) vários profissionais debruçaram sobre papéis redigindo documentos (Agenda 21, Carta da Terra, Agenda Habitat, a Carta do Rio, a Carta do Amazonas, etc.). Até o presente momento os fatos desenham um panorama que compromete a todos pela corresponsabilidade. Quero crer na ação e não no desabafo. Ainda que os agentes responsáveis pela gestão da Cidade Sustentável não estejam ao nível da sociedade comum, há uma participação convocada pelo civismo e respeito à vida. A legislação estabelece a revitalização dos moldes urbanos pela ótica humanista de uma vida justa da sociedade através do saneamento, educação estruturada, administração da saúde, distribuição do transporte, assentamentos humanos com ocupação ordenada do solo, serviços diversos (indústria, comércio, etc.) visando equilíbrio na distribuição de renda e gestão do lixo. As zonas rurais também são contempladas a fim de coibir o êxodo, consequentemente, reduzindo a concentração nas metrópoles, pois a malha urbana existe em todo o território de uma nação e solicita interações com resto do mundo – a sustentabilidade tem que ser mundial.
É prioritário o conhecimento do ciclo de Saneamento dos Resíduos Sólidos (gestão do lixo) para administrar o destino dos produtos. A educação socioambiental precede as sacolas plásticas, a implantação desta lei requer estruturação dos agentes responsáveis e o referido produto representa uma gota no oceano dos resíduos que comprometem o solo, os rios e até mesmo o processo de reciclagem nas estações de tratamento. O atraso do país não está apenas neste assunto, mas na incompreensão das premissas técnicas e na atuação comprometida do poder público. As sacolas plásticas são recicladas tanto quanto as garrafas plásticas, entretanto não houve uma ação voraz sobre as empresas de bebidas para transformá-las em vidro "retornável", tampouco sobre os fabricantes de lâmpadas, pilhas, baterias e componentes eletrônicos. Observe também como estatística de agravamento, o consumo crescente da sociedade em todo o território, numa produção de resíduo orgânico acima da capacidade das estações ativas – é fundamental a mudança de hábito. Se há um atraso desta nação para as demais desenvolvidas, é notório que a sociedade não responderá sozinha.
O Protocolo de Kyoto (em 1997 com 160 nações) expira em 2012, sob os olhares indiferentes das nações desenvolvidas, o que ilustra o compromisso tácito com a sustentabilidade. A título de informação é considerado o tratado internacional de maior importância sobre meio ambiente, além da redução na emissão de gases de efeito estufa estimula as nações a gerenciar a destinação do lixo, a utilizar fontes renováveis de energia, a redução de emissão do gás metano e a proteção das florestas. As emissões de gases num país em desenvolvimento interferem na Bolsa de Carbono, onde os créditos são negociados (quem emite menos vende para quem emite mais) numa relação de pseudo-equilíbrio mundial. É mister uma ação conjunta dos agentes responsáveis pela Cidade Sustentável (poder público e privado) face à adequada interpretação da lei - objeto administrativo dos fatos ocultos - a exemplo da revisão do Código Florestal Brasileiro, o Programa de Saneamento dos Resíduos Sólidos e os Planos Diretores das cidades. Vale lembrar que o aquecimento global está mais comprometido com o gás metano do que com o gás carbônico - análise científica exposta nos seminários. Outrossim, focando o balanço energético, ainda é necessária a revisão política quanto a matriz do país (56% de fontes não-renováveis), bem como, as hidrelétricas quando a implantação violenta o equilíbrio do meio ambiente, não obstante o parâmetro de sustentabilidade eleger a energia renovável (eólica, solar, hidráulica, nuclear, biodiesel, biomassa). Entretanto o conceito sustentável caiu no gosto popular como tendência de mercado - "faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço" – é lamentável.
Alertar a sociedade dos crimes cometidos contra o planeta pela ignorância das autoridades não confere frustração, mas preocupação com o bem estar comum, caso contrário pela ocupação egoísta ocasiona, lamentavelmente, o atual estágio caótico da sobrevivência. Cuidar do planeta não é um conceito de felicidade, mas de realidade - é responsabilidade de todos. Você sente paz ao ingerir agrotóxicos? E sente-se pleno com o ar comprometido pela chuva ácida? Acaso contempla com alegria a mutilação de crianças e do meio ambiente nos sítios de guerra? Então busquemos a harmonia, sem a indiferença do presente visível. Permeando alguns discursos, certos intelectuais têm a capacidade de julgar o perfil da sociedade brasileira e o comportamento da nova geração diante do desequilíbrio social, como se não presenciassem as sucessivas agressões à população de baixa renda e assim se isentam também da responsabilidade pela indiferença ao longo dos anos, até o momento em que se tornam vítimas deste perfil.
Construir algo importante não é fácil, requer paciência, sobretudo coragem. Os obstáculos estão vivos - as pedras no caminho -, vencê-los é imperativo. É a autoconfiança que estabelece a vitória, então tudo se resume num bom combate à luz da consciência holística – interação dos elementos do universo em especial dos seres vivos. Quanto aos que ignoram a sutileza do tema ou não veem realismo no registro de uma sociedade justa, não há agenda que suporte, é necessária uma revolução moral.

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

O grito das águas

Quando invadem as águas e desrespeitam os limites do meio ambiente, comprometendo a qualidade de vida nos rios, lagos, lagoas, mares, baías, cachoeiras, aquíferos, oceano e até na chuva com a radiação invadindo as nuvens e contaminando a atmosfera, obviamente o fim do mundo acontece todo dia e só não vê quem é muito alienado ou irresponsável. Os agentes responsáveis pela Cidade Sustentável brigam por cotas de usufruto do “Meio Ambiente” que não é propriedade deles, mas do mundo e principalmente sobrevivência da sociedade imediatamente ligada ao respectivo patrimônio natural.
A insensatez revigora a ausência de atitude decente, as providências técnicas são vilipendiadas por interesses econômicos de uma minoria, a sociedade precisa acordar para um aspecto da inteligência humana que está relegado a último plano: através da inércia criminosa do “homo sapiens” o planeta está em franco processo de desintegração, é fundamental entender que o que extermina a vida na poluição de um córrego, também compromete a cadeia alimentar e um fluxo projetado de sobrevivência. 
A vida é como a pedrinha jogada na água, que abre círculos concêntricos - tão bonitos e expressivos -, a Natureza envia a sua mensagem todo o tempo solicitando apenas atenção e inteligência para entender a essência. Se em lugar de estudos inúmeros de cursos que não tem ajudado em nada o planeta, todos os estudantes do mundo parassem um minuto e observassem os sinais que a Natureza tem enviado (entenda “Natureza” na concepção plena da palavra), então a vida seria mais humanizada, não perfeita na utopia, mas justa e equilibrada na trajetória da mente humana que inventou tanta coisa e se perdeu na ganância. 
Não é a ciência pela ciência, pois pressupõem a utopia. Não é a ignorância, pela ignorância, pois o universo sucumbiria. Não é o poder econômico pelo poder econômico, pois o planeta se desgasta e elimina a humanidade, mas vale lembrar que após a eliminação daquele que representa a sua extinção, toda a sua estrutura pode ser revigorada, simplesmente porque o “Universo é Perfeito”. 
Que conceito de inteligência a humanidade possui? 
Que poder destrói a sua própria existência material no caminho da ação? 
Que sabedoria silencia aos inúmeros erros que poderiam ser simplesmente resolvidos com uma palavra, um abraço, um aceno, uma música, uma poesia, um prato de comida? 
Se a evolução do “homo sapiens” ocorreu fisicamente, emocionalmente ainda há controvérsias no rastro do raciocínio lógico em face de este exemplar de vida inteligente ter também a força e o poder de se autodestruir após eliminar tudo o que existe a sua volta em vez de agradecer pela magnífica competência da “Existência”. Vale uma profunda reflexão!

sábado, 1 de outubro de 2011

Espaço perfeito

Escorrer o deserto pelos dedos sempre traz o “ponto zero” do raciocínio: “ser ou não ser...” para arrancar “Shakespeare” definitivamente da alma e seguir a vida como um trem bala sem estação. Ou beber toda água das ondas do mar que derrubam os sonhos e os castelos de areia das paixões e amores das fábulas. Então, o olhar passeou pela Natureza fascinante de entorno (céu, terra, árvore, flores, frutas, pássaros, lagos, etc.) e caiu por atração na linha do horizonte, fixamente apaixonado pelo nada. Quem escapa ao êxtase que a vida propõe? 
Cada minuto pinga no pensamento um sinal, uma referência de bem estar, que ao chegar às profundezas do ser aumenta a capacidade de se expandir na medida em que se torna simples – a felicidade é um caminho simples! A preocupação a respeito do que somos ou o que podemos ser multiplica sobremaneira os dados, os quais vão formando nós, que por conseguinte desdobram novos nós. Só precisamos do ponto para encontrar a “Verdade Universal”! 
Concluindo, a paixão, a Natureza, o “ponto zero”, o amor, a felicidade, o simples, o nó, todos unidos representam a “Verdade Universal”! Multiplicidade é beleza se não escraviza a mente. Suavidade é paz se não cai na acomodação. Silêncio é encontro se não permite a indiferença. Paixão é prazerosa se não alimenta dependência. Amor é único – o começo e o fim de tudo – o nada e o tudo. Um espaço perfeito de convivência precisa ter essa linguagem, transcender em si mesmo através do usuário. Vale uma dança solta pelo espaço que nos acolhe!

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Fluidez de energia no projeto

Muitas pessoas perguntam-me através do blog arquiteturamm holística - arqmonicamendes como garantir a fluidez de energia no local através do projeto. Então, nós precisamos de alguns dados para comprovar o invisível! Qual a composição físico-química do ser humano? O átomo é tanto a síntese formadora do corpo como o que o alimenta, onde as inúmeras combinações geram energia e manutenção desta máquina magnífica – nós somos em configuração comprovada pela ciência à composição da poeira das estrelas. Essa fluidez de energia que não para até o último suspiro, também produz cor e aroma, assim como tem seu termômetro em variações de temperatura, da mesma forma que o fogo e a água e o ar e a terra. 
A genética traz a identidade que automaticamente misturada aos aspectos anteriores mencionados desenham um comportamento que ao longo da vida com o incremento da formação familiar, intelectual e religiosa traçam definitivamente o desempenho do ser humano, consequentemente a sua vida e o padrão de convivência que o circunda – porque os semelhantes se atraem. Então, vamos fazer uma à parte para a citação: “os opostos se atraem” na física para polos negativo e positivo no foco do equilíbrio energético das forças antagônicas pelo conceito universal, mas quando afirmo “os semelhantes se atraem” é com relação às mentes humanas com os seus corpos energéticos quer positivos, quer negativos. Observe um fato interessante: a vibração positiva de um ser humano é tão desconfortável para o outro que vibre a negativa, que automaticamente ocorre a repulsa, porém se há o equilíbrio o ser humano convive imune às variações em função de possuir ambos os polos em vibração harmônica.
Cromoterapia por definição é a terapia pela cor. Feng Shui significa a fluidez do ar e da água no ambiente. Aromaterapia é a terapia pelo aroma. Reiki é a filosofia de cura pela projeção de energia através das mãos em curta e longa distância no foco físico e espiritual. Xamanismo é o culto dos pajés e curandeiros com ervas, danças, músicas, filosofias, culto à natureza e animais do poder. Todos os elementos usados nessas filosofias de cura estão ligados aos desdobrados das emoções, os quais reproduzem energia, em suma, um ciclo vital. Da mesma forma que a ciência tenta provar o “Big Bang” no “Conversor de Partícula”, a fluidez de energia e a harmonização do ambiente buscam na “arquiteturamm holística” essa prova do igualmente invisível poder que movimenta o mundo. 
Concluindo, a resposta à pergunta de muitas pessoas é demonstrada nestes projetos arquitetônicos, os quais não utilizam mecanismos mágicos, mas ciência ao mapear espaço físico, filosofia pessoal para identificar preferências espaciais, composição físico-química do ambiente e do usuário na harmonização de tudo o que é disposto no projeto, perfil sócio-econômico do usuário e da região onde o projeto está inserido, a fim de que o custo da ambientação seja acessível e não se desvalorize pelo entorno. Acima de qualquer aspecto está à percepção extrassensorial que capta as frequências energéticas do ambiente e do usuário como um dado fundamental. É a “Teia de aranha” na malha requintada de interferências no foco da mandala, que é o ciclo da vida. Tudo porque aquilo que não é visto pela maioria, quando interfere na vida diretamente, solicita uma ação de controle e com certeza a interpretação das forças propostas, com a finalidade de atingir o equilíbrio tão perseguido pelo ser humano. Felicidade não se compra, mas pode ser paga uma bela meta calculada, numa projeção do espaço ideal por um profissional competente e comprometido com a harmonia de outrem. A arquiteturamm holística - arqmonicamendes é um estilo de vida, assim como, alimentação natural, vida saudável, meditação, cura holística, entre outros, o que vai de encontro a sua autoestima.
Observe alguns locais abertos ou fechados que geram energia e manifestam alteração de padrão no usuário como, por exemplo, templo religioso, cemitério, trilha ecológica, teatro, cinema, instituição de ensino, shopping, deserto, mar, cachoeira, museu, restaurante, uma estrada livre para direção, avenida com trânsito congestionado, ambiente de trabalho, Stoneheng, pirâmides, Machu Picchu, etc. Agora compare com uma nova leitura ao texto. Boa sorte!
A propósito, este texto foi elaborado para atender aos incrédulos quanto ao trabalho executado pela arquiteturamm holística - arqmonicamendes, no entanto aos crédulos é uma homenagem e um expressivo agradecimento, em face de demandar pesquisa e didática para esclarecer da forma mais eloquente o assunto - fluidez de energia no projeto de arquitetura. Entendam definitivamente que energia é ciência, logo, desenvolvê-la simultaneamente permeada à filosofia é concebível, outra combinação que ignore a sua origem óbvia, inevitavelmente incorre em insipiência na carência de conhecimento e inteligência, desistindo definitivamente da sabedoria.

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Mapa do tempo

Todo ser humano possui percepção de forma, cor e aroma direcionando o seu espaço desde a criação do mundo – nas cavernas pelo conceito de habitat – até os dias de hoje percorrendo os diversos caminhos das civilizações, os quais sofrem influências econômicas, políticas, sociais e religiosas. 
A economia determina o que pode ser adquirido e como, mas também quem adquire – aquisição movimenta uma sociedade em qualquer sistema de governo e a ascenção da construção civil. A organização política determina o perfil dos gestores públicos e privados (vinculados às parcerias nos empreendimentos públicos) da ocasião desenhando um mapa de gostos e disponibilidades no planejamento através dos programas de desenvolvimento. O conceito social é fundamental porque não só esclarece o perfil atuante como projeta o ideal direcionando na concepção modular (normalmente a cada cinco anos evolutivos da sociedade) observando as diversas funções das obras. A religião passeia pela forma e representa uma inspiração histórica haja vista o design dos templos seja no monumentalismo seja na arte dos afrescos imemoriais – uma linguagem perpetuada.
O mapa do tempo da arquiteturamm holística - arqmonicamendes direciona a percepção sutil sobre cada usuário para marcar a identidade pessoal no espaço de convivência e configurar um legado, tal que os inúmeros percursos desenhem formas, cores, fluxos e acessórios na impulsão sempre da próxima fase de evolução - sendo um projeto flexível e adaptável. Captar a vibração das cores da aura do usuário e da energia do solo tanto quanto da edificação requer compromisso com a existência seja junto ao planeta seja junto à humanidade. Enfim, uma arquitetura sustentável e contemporânea. O mapa da arquiteturamm holística - arqmonicamendes está diretamente ligado às normas de conduta do planejamento no “O espírito do projeto” exposto neste blog.

sexta-feira, 15 de julho de 2011

Água nossa de cada dia

O nosso planeta assim como tudo o que existe no Universo Perfeito tem ciclos de existência – nascer e morrer não são privilégios evolutivos apenas dos seres humanos. Focando uma identidade do planeta Terra proclamaram o “slogan”: “Planeta Água”. Como funcionam a água e o planeta diariamente?
O maior volume dessa água não é para consumo e os aquíferos estão pontuados no planeta, algumas nações têm esses recursos naturais. A nossa nação é contemplada com uma malha hídrica estupenda: rios, lagoas, cachoeiras e os aquíferos (formações geológicas subterrâneas que armazenam água doce para consumo, alimentam rios e poços artesianos). Vale lembrar que a floresta mantém o “ciclo das águas” na dinâmica de absorção do solo e projeção das nuvens de chuva. Hidrologia é a ciência que estuda as “águas do planeta”. 
Há uma preocupação em manter o solo em condições saudáveis de forma que não comprometa a qualidade da água armazenada nos aquíferos (o Brasil possui o segundo maior exemplar do mundo). Os produtos químicos agressivos de uso diário, os produtos oleosos, os refugos industriais e os resíduos sólidos (alimentos, papéis, vidros, metais, componentes eletrônicos, etc) não podem ser descartados neste patrimônio hídrico, para tanto a lei de Saneamento dos Resíduos Sólidos (popularmente conhecida como a Gestão do Lixo) estabelece uma diretriz para o descarte, o qual exige a participação responsável e constante da sociedade e dos Agentes Responsáveis da Cidade Sustentável (poder público e privado).
O fundamental neste momento de transformação do planeta - já estudada e mapeada pela ciência - é o consumo consciente das reservas naturais focando uma convivência harmônica com o meio ambiente e a vida moderna. Evitar desperdício definitivamente e manter esse patrimônio hídrico limpo, protegido e com a saúde respeitada. Atender as premissas científicas sempre e olhar a Mãe Natureza com amor alinhando todas as atividades diárias pela parcimônia. Quando a floresta sofre desmatamento e não há preocupação em manter esse patrimônio natural um crime é cometido sobre uma massa viva – flora e fauna extensivo à humanidade - com projeções trágicas num futuro próximo.
Enfim, ao acordar olhe a vida com todo amor que existe no seu coração e observe a dinâmica que integra o sol, o céu, as matas, os microrganismos, os animais, os insetos, as rochas, as águas, o ar, a terra e a humanidade – somos parte do Todo. Há uma ligação num fio tênue e invisível que une todos os organismos vivos com o planeta, assim cuidar de tudo a nossa volta é manter nossa qualidade de vida. Entendam que a nossa sobrevivência está ligada diretamente à “água nossa de cada dia”!

segunda-feira, 27 de junho de 2011

A arquitetura e o cotidiano sustentável

Os fenômenos naturais representam o comportamento cíclico do planeta, mas a humanidade tem uma participação sobre a saúde do meio ambiente mediante a conduta diária. É necessário usufruir a vida moderna com parcimônia, a fim de que os recursos naturais sejam suficientes. A redução do consumo atual é fator preponderante, observando a quantidade necessária na relação de custo e benefício com a análise do rótulo face ao manejo sustentável. Outrossim, a manutenção dos equipamentos e adequação dos ambientes com o foco na ausência do desperdício. A abordagem é o ambiente doméstico, não são mencionados outros exemplos pela complexidade das instalações e pelo fato dos resíduos gerados apontarem soluções e equipamentos específicos.
O CICLO DO LIXO (Gestão dos Resíduos Sólidos) começa no descarte onde cada material deve ser separado. O resíduo orgânico (alimento) acondicionado em recipiente distinto dos recicláveis (plástico, papel, vidro, cerâmica, pilha, bateria, lâmpada, etc.), os quais são entregues às cooperativas de reciclagem da sua cidade, as embalagens que armazenam alimentos são devidamente limpas. O mesmo procedimento ocorre com o material residual da construção civil (“entulho” da construção ou da reforma). A companhia de limpeza urbana possui os contatos com horários, dias de coleta e condições de armazenagem. Direcione as roupas e os livros excedentes (caso opte pelo leitor digital) no armário para instituições beneficentes na sua cidade, cuide para que o material doado apresente bom estado de conservação e proporcione uma imagem agradável embalando corretamente. É importante ressaltar que os produtos recicláveis não podem passar pela coleta padrão, pois os veículos são dotados do mecanismo de compressão gerando agregação das embalagens aos resíduos orgânicos, descartando a possibilidade de reutilização ou encaminhamento adequado (pilha, bateria, lâmpada e componentes eletrônicos são direcionados aos respectivos fabricantes para análise). Atenção especial ao óleo de cozinha para reciclagem: está na condição de único uso, isento de água e impurezas por isto filtrá-lo antes de engarrafar; finalmente, armazenar em garrafa plástica (por exemplo, PET 2L). O despejo inadequado no esgoto domiciliar compromete o solo, os rios, as lagoas e as baías, principalmente em regiões carentes de estações de tratamento.
A ORGANIZAÇÃO DO ESPAÇO de convivência é a harmonização do pensamento e consequentemente repercute na vida. No ambiente mantenha cada peça em seu respectivo local com fácil acesso e acondicionado de acordo com o manual de uso (livro, CD, DVD, revista, jornal, roupa, louça, sapatos, bolsas, etc.), além do mobiliário padrão (armários, cômodas e estantes) há a opção de caixa organizadora, gaveteiros e aquele nicho esquecido na despensa. As caixas podem ser etiquetadas ou orientar o assunto por cores e formas, compartilhando na decoração. Este processo pode ser executado pelo usuário baseado na intuição ou na contratação de um profissional, que projetará não só a organização como o mecanismo de uso. Através deste processo há a consciência de aquisição do produto necessário, então faça uma lista de acordo com o estoque, logo este conceito é sustentável.
O PROJETO DOS VÃOS para a ventilação, a iluminação e a circulação baseia-se no cálculo estabelecido pela legislação objetivando o conforto ambiental, esse é um conceito básico da arquitetura considerado sustentável. A janela é calculada sobre a área total do compartimento para a ventilação e a iluminação plenas; a porta é implantada, assim como outros vãos de passagem, com a dimensão e a abertura confortáveis ao acesso - menção às pessoas com necessidades especiais. Elementos vazados na parede (cobogó, treliça, etc.) ou no teto (pérgula, clarabóia, etc.) para áreas livres atendem, portanto, à saúde da construção e dos usuários. O pé-direito ou altura piso-teto do compartimento ideal mede três metros. e quanto maior, melhor a circulação de ar. A sustentabilidade ocorre porque gera economia de energia elétrica, usufrui da ventilação e da iluminação naturais o máximo possível, principalmente no que se refere ao nosso clima. A incidência dos raios solares gera maior aquecimento ao ambiente no período da tarde, caso necessite minimizar o desconforto utilize acessórios construtivos ("breeze soleil", venezianas, alpendre, etc.) respeitando o Mapa de Insolação da sua região, essa opção também combina com a decoração. Observe que na ausência de acessórios construtivos a persiana direciona a luz permitindo a contemplação da paisagem, a cortina opaca “room darkening” bloqueia temporariamente a luz, o toldo e a película refletiva aplicada no vidro da esquadria fragmentam os raios solares minimizando o ganho de calor no ambiente. Ainda no conforto ambiental em parceria com os vãos citados estão as lajotas de biomassa para as paredes, criando com seus vazios e sulcos um artifício termo-acústico com baixo custo, bem como, a telha ecológica com inclinações suaves para as águas do telhado e estrutura simples economizando no madeiramento, desde que seja projetada distante da chapa de forro de madeira reflorestada e com ventilação entre as ondas da chapa a fim de minimizar colchão de ar quente.
O CONSUMO DE ENERGIA elétrica merece atenção da economia em função dos custos de transmissão ainda que a hidrelétrica represente grande parte da fonte geradora e seja considerada renovável. Fiscalize os equipamentos ligados na tomada somente para uso imediato, pois o modo “stand by” consome energia. Os aparelhos devem estampar na embalagem o selo com a especificação do gasto de energia em "stand by" - que são aquelas luzinhas vermelhas acesas mesmo com o aparelho "desligado". A etiqueta "stand by" das TV´s é semelhante à usada para indicar a eficiência energética de produtos como geladeira, fogão, forno microondas e ar condicionado. Acione a iluminação apenas no compartimento ocupado e use sensor de presença em áreas de passagem com esporádico acesso, economizando o acionamento quando não há permanência. O chuveiro elétrico deve ser acionado apenas no momento de enxágue. A lâmpada econômica só é útil na potência necessária. A lâmpada de LED é mais econômica que a fluorescente compacta com reator incorporado, ambas desempenham melhor que a lâmpada incandescente, observe a comparação das potências nas embalagens dos produtos e no cálculo luminotécnico do ambiente; aproveite a arandela ou a luminária sobre o móvel com lâmpada de baixa potência na decoração criando foco de luz na orientação do canto, da obra de arte ou do fluxo de passagem – é objetivo, estético e econômico. Considere as cores claras para a parede e o teto distribuindo a iluminação artificial, além de ampliar o espaço também favorecem a economia com a iluminação natural mantendo a luminosidade o maior tempo possível. Para passar roupa, atente para a quantidade e programe num único período. A energia solar pode ser utilizada por painéis (fotovoltaicos) instalados na cobertura (telhado ou laje) da residência com a técnica de transformação do calor pelos raios solares para o aquecimento da água, reduzindo sensivelmente o consumo de energia elétrica. Respeite o afastamento técnico dos equipamentos descrito nos manuais e não sobrecarregue as tomadas; evite a abertura prolongada da porta da geladeira ou do forno. Verifique se há perda de carga nos pontos de instalação e mantenha a instalação elétrica (fios, tomadas, etc.) em boas condições. Somente acione o aparelho de climatização (ventiladores, ar condicionado, etc) no compartimento ocupado e quando a ventilação natural não atender ao conforto do usuário.
O MOBILIÁRIO com a madeira certificada é prioritário para coibir o desmatamento e direcionar com responsabilidade os recursos naturais de acordo com a legislação. Mobiliário possui função específica; não polua seu espaço pela quantidade excessiva de peças solicitando consumo de material de limpeza e ônus na manutenção. Respeitando o estilo do projeto e a constituição da peça, se há o interesse na mudança estética, considere a aplicação de textura (pátina, craquelê, decoupage, etc.) na reforma da peça ou direcione a doação às diversas instituições beneficentes. Adquirir peças em bazares beneficentes é um caminho de decoração da casa com o foco no bem estar comum; também há cooperativas de reciclagens confeccionando móveis e acessórios (com plástico, fibra natural, metal, vidro, etc.). O descarte das peças deve ser solicitado à empresa cadastrada, que desenvolve uma parceria com a reciclagem ou direciona para doação. Experimente as texturas, tal que: a pátina na estante, o craquelê na mesa de canto, a decoupage com as fotos da família na porta do armário, o mosaico com a cerâmica descartada para a mesa de refeições. Ainda na reforma da decoração crie almofadas coloridas para poltronas e cadeiras, use mantas bordadas sobre sofá e mesa, dê um novo tecido para o estofamento ou capa do sofá - compare o custo com a peça nova.
O PAISAGISMO deve priorizar as mudas correspondentes às regiões onde são implantados os projetos, pois há uma correspondência com o clima prosperando as diversas fases de recomposição - cada muda possui período de maturação e floração. Aproveite para harmonizar o ambiente compondo “cortinas” naturais como divisão de ambientes e decorando paredes, algumas espécies possibilitarão sombra adequada àquela parede ou janela que recebe excessiva insolação, assim combatendo o calor e gerando conforto. Jardins convivem com hortas, fontes e esculturas. Há iluminação com célula de energia solar e fotoelétrica, carrega durante o dia e só aciona quando anoitece. A irrigação segue o perfil de cada muda e o controle no consumo da água. Fontes não representam desperdício, pois reutilizam a água e podem ser alimentadas pelas células solares, mantenha o controle de qualidade da água e o local sempre limpo. Vale lembrar que folhagem escura é resistente a ambientes com pouca luz. Horta de temperos convive em singela jardineira na cozinha. Crie um jardim vertical naquela parede esquecida da fachada. Preencha um espaço com potinhos de flores coloridas renovando as cores e as formas. A energia solar não polui durante seu uso, as centrais necessitam de manutenção mínima e os painéis solares são a cada dia mais potentes, ao mesmo tempo em que seus custos vêm decaindo. Isso torna cada vez mais a energia solar uma solução economicamente viável em praticamente todo o território, excelente em países tropicais.
O CONSUMO DE ÁGUA é fundamental perante a consciência, na inibição do desperdício acionando a torneira ou o chuveiro apenas no instante necessário. O coletor de águas pluviais é uma opção com o armazenamento e filtragem da água da chuva para irrigação do paisagismo e limpeza dos pisos. Verifique as condições da canalização, torneira e válvula de descarga a fim de evitar perdas. A bacia sanitária com caixa acoplada é econômica no consumo d´água. O esgotamento da bacia sanitária não é o mesmo de um ralo simples localizado no nicho do chuveiro, os ralos simples e sifonado existem para escoar água de enxágue do corpo, das mãos e do piso. Mantenha periodicidade de limpeza e vedação adequada da caixa d´água e cisterna, reservatório superior e inferior respectivamente, bem como, as condições dos registros e conexões. Avalie o perfil de consumo através do extrato do fornecedor da sua cidade comparando aos movimentos de economia adotados. A louça pode ser limpa dos resíduos sólidos antes de receber o sabão e só então enxaguá-la com todas as peças simultaneamente. A limpeza da roupa deve reunir o maior número de peças disponível na máquina de lavar gerando economia da água e da energia elétrica. Verifique o dimensionamento adequado da instalação hidráulica, o aerador (peça semelhante à "peneira" na saída da água) nas torneiras controla o jato da água, use o volume da água na máquina de lavar roupa de acordo com a quantidade da peça (observe o manual técnico). Acredite, que o volume de água esgotado no enxágue da máquina de lavar é suficiente para limpar calçadas interna e externa à casa. Prefira produtos neutros e biodegradáveis para higiene geral da residência evitando agressão ao revestimento e minimizando a carga química sobre o esgoto, lembre-se que é um ciclo sustentável.
A arquitetura e o cotidiano sustentável convivem com o meio ambiente sem agredi-lo e usufruindo o máximo possível do conforto natural, reduzindo o consumo de energia e a produção de resíduos. As informações descritas acima representam uma expressiva economia no orçamento familiar. Sustentabilidade é a linguagem da vida moderna, auto-suficiente, objetiva e simples sem perder a elegância, com respeito à ocupação do solo sem a poluição do ar e reutilizando a água, tal que a manipulação das ferramentas da vida moderna seja equilibrada. Vale ressaltar que as informações prestadas têm origem nos documentos técnicos expostos nos seminários, nos sites das empresas responsáveis pela viabilização do tema abordado com respeito à legislação e na experiência profissional da coleta de dados durante a execução dos projetos afins. Enfim, olhe para o cotidiano da casa e do condomínio, estenda à rua e ao bairro - então comece! Organize-se, faça grupos com os amigos e com os vizinhos, economize o máximo possível focando o benefício da nação e consequentemente do planeta. O movimento pode ser considerado pequeno diante de tantas necessidades, mas será significativo para a sua consciência, com certeza.

quarta-feira, 4 de maio de 2011

O picadeiro da transformação

As mudanças climáticas são tão surpreendentes quanto as mudanças humanas. Alguns acreditam na transformação do Ser através de uma palavra ou de uma técnica, ou de um fato que desperta para a nova realidade. As tempestades com inundações dizimando cidades, os ciclones varrendo um território do mapa, terremotos abalando patrimônios, tsunamis engolindo famílias e tantos outros acidentes naturais que elencariam a mente humana num salto para um Avatar, cujo preço não é o da tecnologia mais o da sabedoria. Os dados sobre o aquecimento global, ainda que mascarados por uma política anti-pânico, revelam a banalização de um ciclo de existência que pode oferecer renovação com sobrevida, ou não.
Todos os sítios de guerra, reincidentes ou não, já eliminaram seus biomas adquirindo um padrão de vida aquém do estabelecido pelo organismo mundial responsável pela manutenção e proteção do meio ambiente. Entretanto, há o evento esportivo, musical, cinematográfico, folclórico, enfim movimentos culturais que atraem o público, o dinheiro, o “glamour” pelos seguidores – uma busca frágil para enterrar as lembranças e atitudes para tantas tragédias com uma lista tão expressiva de óbitos. 
E uma pergunta avassala a mente consciente: há transformação humana ou tudo é ilusão? Olhar para o lado e esperar solução compartilhada, se não é trágico será cômico. Alguém quer um rio fluindo e grita, mas nada acontece. Outros obstruem uma via pública para impedir o desmatamento, mas o que vemos sobrar das árvores é assustador, são público e notório que os fins justificam os meios do lado errado dessa corda invisível da insensatez, apontando o resultado contra a vida saudável. Lembre-se de um aspecto sutil: se tudo o que é feito contra o planeta e a humanidade representam o lixo do universo em face da luz da transformação, então o lixo será o nosso padrão de vida daqui para frente e, a mais inverossímil conclusão é que o ser humano antes de entender a mudança necessária, atenderá a uma acomodação adaptada, uma passividade forte de quem rejeita o que é justo na mandala da vida, cujo vínculo histórico será um mero picadeiro da transformação.

O espírito do projeto

O projeto de arquitetura holística que eu abracei tem um suave mistério. Holismo é teoria de que existe uma tendência à interação dos elementos do universo, as partes que formam o Todo. Assim, considerei as seguintes filosofias: a Cromoterapia, o Reiki, a Aromaterapia, o Feng Shui, o Xamanismo harmonizadas com a técnica padronizada e os estilos nos períodos da arte. Aglutinar tudo isso não é fácil! 
É fundamental respeitar o espírito do lugar, conhecer a história da terra, ouvir as paredes, respirar o paisagismo local e captar os sonhos. Também ler o sol, ouvir o vento, entender a lua, enxergar as cores do entorno e acomodar a água pela origem. Acatar as leis do uso e da ocupação do solo, os parâmetros urbanísticos e a plástica (forma e estilo) do bloco edificado em relação ao local. 
Cada lugar, assim como, cada pessoa possui uma necessidade de cura, um aroma peculiar, uma cor que compatibiliza uma característica espacial e uma expectativa de vida. Há uma compreensão visceral da sustentabilidade.
Um partido arquitetônico jamais interfere no destino do usuário, apenas flui - é um generoso coadjuvante. O espírito do projeto é como o universo e seus elementos (galáxias, planetas, estrelas, asteroides, buracos negros, etc.), cada parte possui uma importância e juntas formam a criatividade, cuja representação é a mandala da vida. O encontro do autor do projeto com o proprietário do local não é um acaso, respondendo às inúmeras trajetórias que a vida desenha.
Diante de uma malha de interferência tão complexa e sutil, o prêmio desse trabalho árduo, porém excitante, é o sorriso espontâneo e a prosperidade do compartilhamento humano, onde a saúde material e a espiritual promovem a esperança de uma vida feliz. O profissional é apenas um veículo, uma ponte para realização dos sonhos.

Transformando a realidade

Alguns povos dizem que sonhos são necessários para a implantação das ideias corretas, os agentes expressivos são igualmente importantes para incrementar os objetivos. Optando pela sustentabilidade como a ideia correta envolvendo a comunidade por zoneamento urbano (divisão da região por funções), instruindo o ambiente acadêmico, direcionando as vantagens econômicas para os agentes privados com o foco no crescimento e na qualidade de vida da nação, por conseguinte promovendo o desenvolvimento, o sonho encontra a realidade planejada – simples assim. Interessante perceber, enquanto não existe o risco de acidente com mortes, ninguém avalia os projetos no planeta. A energia nuclear é sustentável (renovável e limpa), é fundamental perceber que não se compra a viabilidade geográfica para a matriz energética de uma fonte sustentável, ou seja, os geradores de energia precisam da fonte natural (por isso sustentável, limpa e renovável, exemplo, água, sol, vento) na região, sobretudo proporcional à demanda local para atender o desenvolvimento proposto pela nação. Uma barragem quando explode abre uma tragédia sobre a cidade invadida. Uma ocupação desordenada do solo urbano com chuva intensa coadjuvante aos rios locais arrasta uma cidade. Uma hidrelétrica dizima uma área imensa do meio ambiente. 
Onde está a verdade: não alimentar a vida moderna?
Ninguém impede acidentes naturais (eventos climáticos periódicos e agressivos), mas aprende a lidar com eles evitando as tragédias. Não é só do projeto a autoria do risco à vida humana, mas a manutenção e a implantação do mesmo, cuja responsabilidade técnica e o amor ao próximo devem prevalecer aos ganhos materiais. No mais, a consciência de fatos inevitáveis listados na agenda da natureza independente da nossa aprovação e concomitante a prevenção científica.
A Agenda da Cidade Sustentável e o Protocolo de Kyoto apresentam a proposta de uma nova forma de vida a fim de coibir os excessos sobre o planeta, preconizando a convivência humana saudável com a terra, o ar, a água, a fauna e a flora. É um caminho científico para corrigir parte do que já foi destruído, estancar a destruição progressiva e conviver com a consciência dos limites – o direito humano termina onde começa o do planeta. Não é um processo rápido e solicita adaptações para cada região pelo clima, geografia e sociedade, principalmente sobre a energia renovável (hidráulica, eólica, nuclear, solar, biodiesel, biomassa, etc.), sendo algumas adquiridas e outras viabilizadas pelos recursos naturais. Sustentabilidade é um ciclo de convivência econômica de qualidade mútua, a energia renovável é uma fonte sustentável e pouco ou nada poluente, ao contrário dos combustíveis fósseis (petróleo, carvão mineral e gás natural) que são poluentes e não renováveis. Enfim, a premissa oferece qualidade de vida, mas não impede transformações naturais na estrutura do planeta, porque tudo tem prazo de validade. 
Durante um seminário sobre a Cidade Sustentável, a Teoria de Evolução do Planeta, a Biodiversidade e o Big Bang (provável início de vida do universo em teste no Conversor de Partículas), conversando com os profissionais brasileiros premiados que ocupavam a bancada descobri que muitas informações científicas são deturpadas ou mascaradas, bem como opções não fundamentadas distribuídas no canal de comunicação com a humanidade gerando até mesmo uma versão simplificada que não atende aos objetivos científicos nem humanos. A razão para esse exemplo de praticidade irresponsável possui um dos caminhos prováveis: o comportamento imaturo e incipiente sobre o panorama científico atual no planeta, ou o prazer mórbido em atuar como condutor terrorista da humanidade – a sensatez e a serenidade são necessárias nos períodos críticos de senso moral no planeta. Igualmente, tais informações comprometidas com relativa facilidade fluidez não são justificadas pela tecnologia, que atualmente ocupa todos os espaços e camadas sociais, mas porque a humanidade não aceita e não busca o entendimento dos fatos. Há dados confiáveis do processo de transformação do planeta, tanto quanto, há dados confiáveis da fácil manipulação da mente humana, razão pela qual o comportamento atual do ser humano é tão destrutivo. Entretanto, há solução para os dois problemas sendo necessário que a humanidade acorde a tempo de aplicá-la.
Com todo o respeito que o momento presente merece, as tragédias residem num conjunto de ações verbais em oposição às execuções necessárias. Há uma corresponsabilidade neste fato pelas inúmeras omissões da sociedade conjugada aos agentes responsáveis pela saúde urbana (poder público e poder privado). Enquanto a sociedade agir com exclusão da cidadania, realmente, não haverá a menor chance de exigência sobre a gestão administrativa de fato. Percebe-se que é mais fácil chorar do que assumir os erros compartilhados – a legislação só emerge com os óbitos. A conclusão lamentável é a ausência de interesse na aplicação da ciência na vida do planeta, quando o resultado aponta para uma desaceleração da ganância dos agentes financeiros. Seria o planeta um exemplar do magnetismo do mal? A resposta está na técnica do espelho: a imagem refletida e as inúmeras atitudes somadas à personalidade com o rescaldo de um fio de verdade, cujo caminho é um abismo de possibilidades e só a coragem aliada ao senso moral que reside nas entranhas da existência para superar tantas perdas e assumir tantos riscos para a própria sobrevivência.

segunda-feira, 2 de maio de 2011

O meio ambiente que nos acolhe

Há um sinal trágico de responsabilidade social mundial em importância projetada nas microrregiões onde a proteção ao meio ambiente é ignorada. Há um murmúrio perigoso sobre a criação de um organismo internacional regulador do assunto, quando o Protocolo de Kyoto e a Agenda da Cidade Sustentável foram ignorados por anos a fio. O que prevalece ao mundo das nações é o dinheiro, quando muito uma plantinha na jardineira de um palácio qualquer.
Urge um projeto em malha de interferência com expectativa do desenvolvimento econômico nas regiões e uma preservação ambiental com suas evoluções etárias, em face de haver um período evolutivo no planeta alterando os biomas. Desta forma a lei seria respaldada por uma leitura vinculada à representação gráfica, estabelecendo cientificamente uma estanqueidade de atitudes – sem espaço para distorções e infrações grosseiras.
Há um temor profundo no âmago dos profissionais decentes quanto à banalização da sobrevivência do meio ambiente e o desenvolvimento sustentável diante do corrupto cenário mundial atual – será necessária a moralização da vida -, observe que até os sítios de guerra em perfis inóspitos e áridos por longos períodos, infelizmente, podem se assemelhar a qualquer região do mundo que desrespeite as normas básicas de consciência ambiental.
Há dois aspectos fundamentais para avaliação, a saber: que significado tem um organismo institucional que não defende a verdade científica a que se propõe e porque não há mapeamento definitivo e incontestável (sobre jurisprudência criminal) definindo a proteção ambiental?
Pelo texto da lei e estatuto vigente o funcionário público que não cumpre sua função sofre penalidades previstas, logo, jamais aconteceria parecer favorável ao erro como é o caso de muitos empreendimentos obstruindo rios e dizimando florestas em detrimento a um caminho energético que carece de postura fielmente científica.
Será mais uma conferência mundial para resolver coisa alguma e carimbar o óbito do planeta desenhado sobre muitas notas de valores monetários mundiais com a assinatura de seus ilustres gestores – triste fim da humanidade!

sábado, 30 de abril de 2011

A bolha do Sol - Homenagem aos protetores do planeta

As faces do poder desmedido formaram um conjunto deveras perigoso para o planeta: círculos concêntricos com movimentos inversos entre si; por conseguinte, partindo de um ponto de vista qualquer com movimento constante na direção da solução, apenas num breve momento há o encontro da ideia, em seguida o retorno ao incessante movimento. 
E a vida segue sem expressão quiçá sem criatividade... 
A consciência é uma faca afiada. Na profundeza do ser humano reside o verdadeiro ser vivo, sem o véu sedoso da sobrevivência, sem a armadura poderosa do isolamento. A expansão do sentimento com a alegria de uma criança é o caminho mais rápido para o interior infinito.
Qual a medida da paixão quando a brisa da manhã vem despertar numa carícia silenciosa? 
Qual a vibração do amor diante do por do sol ardente mergulhando no mar sereno? 
Quem desfaz o eco inclemente da ausência de paz? 
Quem apagou a luz da humanidade? 
É mister o encontro da medida na paixão silenciosa e no amor sereno pelo planeta, que despertará o eco da verdade e mergulhará a humanidade numa vibração de luz – o renascimento da paz!